RITMO ALUCINANTE: A CONTRACULTURA

Os anos 60 foram, talvez, os mais marcantes para a moda na história. As mudanças foram muito além do vestuário e das influências de estrelas como Twiggy e os Beatles. regras foram quebradas e paradigmas alterados.

b2e9c-1a2bcontracultura

A minissaia de Mary Quant mostrava muito mais do que os valores dos mais velhos permitiam, mostrando o intenso choque de gerações da época. Se uma década antes as coxas de Inês Orsini causaram furor e pavor, os anos 60 mostraram que, depois que um tabu é quebrado, não tem mais volta.

bb540-1aminissaia

O vestuário Unissex, por sua vez, pode ser considerado um marco na luta por igualdade de gêneros, pois não tratava de valorizar a mulher como mulher, mas de colocar todos no mesmo balde pra valer.

b1f95-1aunissex

Outro conceito totalmente novo da década foi o mercado focado nos adolescentes. Em décadas anteriores, não havia diferenciação marcante entre uma criança de 6 ou de 14 anos. A  rebeldia dos anos 50 trouxe, para a indústria da música, do cinema e da moda, principalmente, todo um novo nicho de mercado que, até hoje, é um dos mais explorados.d9438-1apucci

O mais alucinante dos anos 60, contudo, ganhou força mais no final da década. A contracultura norte-americana floresceu de uma efervescência de fatores predisponentes, como o desenrolar da guerra do Vietnã, o auge do Rock’n’roll, a luta contra o racismo e o choque de gerações que comentamos. Era uma época extrema de conservadores versus liberais. Sem falar de um fator que parece ser menor, mas que deu a cara da época… a televisão a cores!

2a6aa-1apsicodelia
A influência do cinema e da televisão na moda já era grande desde os anos 30, mas as imagens em preto e branco e as produções de baixo orçamento para a televisão dificultavam a inspiração nos figurinos. Era comum um personagem usar sempre a mesma roupa, como marca registrada e esse figurino, geralmente, não tinha estampas, mas sim um contraste entre cores claras e escuras para aparecer bem no monocromático.

Com o advento e o uso em larga escala da tv colorida, tudo mudou. Não era só uma imagem colorida, era uma imagem com baixa qualidade e contraste muitas vezes berrante de cores, exagerado. Some isso ao boom da moda do italiano Pucci e o resultado é pura psicodelia.

3 comentários sobre “RITMO ALUCINANTE: A CONTRACULTURA

  1. Pingback: O CLUBE DOS 27

Deixe um comentário