SAUDÁVEL E NUTRITIVO?

Via de regra, zelar pela saúde é quase uma obsessão no século XXI. Na era da informação é muito mais real conhecermos as doenças, seus efeitos e as formas de previní-las. Seja por estética, modismo, necessidade ou ideologia, estamos mais atentos ao nosso corpo, preocupados ou curiosos com a qualidade daquilo com que nos alimentamos.

A medicina atual nos possibilita uma certa tranquilidade acerca de enfermidades que, em outros tempos, assolaram populações. Contudo, a máxima “você é aquilo que você come” nunca esteve tão em evidência e a alimentação é considerada preventiva e curativa. Para uma doença invasiva e letal como o câncer, é notoriamente um dos fatores a ser analisados.
Socialmente bastante atreladas ao politicamente correto, surgem vertentes como o vegetarianismo, veganismo, crudivorismo, entre outros que se empenham em ter uma alimentação e estilo de vida ideal.

É totalmente válido e aprazível que busquemos dar valor à vida, evoluindo sempre em nossas filosofias e valores. Inquietante foi ver, em outro dia, em um documentário, o quanto podemos estar enganados em algumas definições e que, na verdade, acabamos sendo todos, por falta de opção, manipulados por um poderio industrial sem controle e sem precedentes.

O documentário em questão é o GMO OMG, que assisti no Netflix, que enfatiza o total desconhecimento do efeito dos alimentos geneticamente modificados para a saúde humana. Estudos realizados ainda timidamente em animais apontam a relação entre o consumo desses produtos e o aparecimento de tumores malignos principalmente no intestino, no caso dos machos, e nas mamas, nas fêmeas.

A grande questão é: a imensa maioria do que comemos provém das sementes geneticamente modificadas. Para melhor desempenho e rendimento, há anos a agricultura se rendeu a esse artifício. Mesmo a carne que consumimos, muito provavelmente, foi de um animal que comeu os grãos “turbinados” e por ai vai…

Enfim, pra quem tiver interesse e disponibilidade, a informação está no Netflix pra ver e tirar as próprias conclusões.

Deixe um comentário